Campanha Divers For Sharks

Estamos fora d’água por uns dias, mas nossos pensamentos continuam lá, por isso vou aproveitar para falar um pouco sobre a Campanha Divers For Sharks. Estamos ajudando o pessoal a divulgar esse trabalho incrível, distribuindo informativos para todas as operadoras visitadas e tentando conscientizar o maior número possível de mergulhadores para a importância de se tomar uma atitude.

Os tubarões, peixes de esqueleto cartilaginoso pertencentes à classe chondrichthyes existem a cerca de 450 milhões de anos e apresentam um excelente nível evolutivo, sofrendo poucas alterações nos últimos 150 milhões de anos. Atualmente existem cerca de 500 espécies viventes descritas, adaptadas aos mais diversos nichos ecológicos, sendo encontradas nos mares desde os trópicos até os pólos, assim como em ambientes de água doce.

Sendo predadores de topo de cadeia, os tubarões são essenciais para manter o equilíbrio nos ecossistemas marinhos. Eles regulam a diversidade e abundância das demais espécies, incluindo muitas de grande valor comercial e cuja saúde populacional necessita da existência dos tubarões. Sem estes animais para predar indivíduos doentes, por exemplo, ou para consumir outros organismos que predam sobre espécies que afetam recifes de coral, a saúde dos ecossistemas marinhos declina. Eles agem também como instrumento de seleção natural ao predar os mais lentos e mais fracos.

Enquanto algumas espécies de peixes conseguem se reproduzir rapidamente e em grandes quantidades, renovando e recuperando seus estoques naturais, os tubarões empregam grande quantidade de energia na gestação de seus filhotes, fato que explica o pequeno número de filhotes por ninhada e o longo período entre as gestações. Possuem maturação sexual tardia, muitos só a partir dos 15 anos. Vale ressaltar que poucos indivíduos chegam a ter a chance de se reproduzir. Apresentam ainda, uma taxa anual de reposição de apenas 3 a 4%, muito pouco para se recuperar das grandes perdas sofridas ao longo dos anos.

Um dos motivos para a alta taxa de pesca dos tubarões é o lucro que se pode obter através desta atividade. Suas barbatanas são consideradas iguarias pelo povo oriental, além de ser item de status, sendo servida em jantares, casamentos e outros eventos, chegando a valer mais de 10 vezes o preço total da sua carne. Com isso, criou-se a prática denominada finning, prática essa onde suas barbatanas são retiradas e o animal é jogado ainda vivo ao mar. Sem conseguir se movimentar e gravemente ferido, o tubarão afunda podendo morrer por perda de sangue, afogado ou como presa fácil para outros animais. A justificativa dada para este ato cruel é que é muito mais lucrativo encher o barco apenas com esta parte do animal (que possuem alto valor de mercado) do que com todo o corpo do tubarão (em sua maior parte a carne, que possui baixo valor).
Um estudo realizado pela IUCN  em 2009 para determinar o estado de conservação global das 64 espécies de tubarões e raias de alto mar revelou que 32% estão ameaçadas de extinção. De acordo com a lista vermelha da Instituição, podemos listar as seguintes espécies que evidências demonstram já estar ameaçada de risco de extinção: são martelo, balei, tigre-de-areia, azul, peregrino, mako, anequim-preto, marracho, cação-bico-de-cristal, raposa, galha-branca, fidalgo, cação-galhudo, cação-noturno.

Aliado à pesca desenfreada, os tubarões sofrem preconceito pela sociedade. Podemos mencionar o filme “Tubarão” , sucesso de bilheteria em 1975 e dirigido por Steven Spielberg, que ajudou a desenvolver o medo e a antipatia do público em relação a esses animais. Ainda hoje, muitas pessoas acreditam que os tubarões são assassinos sanguinários que merecem ser dizimados. Esse animal faz sempre o papel de vilão, as pessoas os matam muitas vezes sem motivo algum, apenas por acharem que isso é o certo a se fazer. Além disso, estes animais recebem pouca atenção das regras de pesca internacionais, sendo que a maioria das nações nem apresenta leis para tal prática.
Sua extinção, ou até mesmo a diminuição de populações de tubarões pode acarretar graves problemas como no final dos anos 1980, na Austrália, onde a pesca excessiva de algumas de suas espécies originou um aumento das populações de polvos, seu alimento natural. Estes se alimentavam em quantidades acima do normal das populações de lagosta, trazendo grande prejuízo para a indústria pesqueira.

Tubarões e o Brasil: o que Precisamos Fazer

Assim como no resto do mundo, os tubarões também estão desaparecendo de forma acelerada de nossas águas, causando danos graves aos nossos ambientes marinhos, ameaçando a própria pesca a longo prazo e empobrecendo o mergulho recreativo, o que tem reflexos econômicos diretos nas muitas comunidades costeiras que têm nesta atividade uma importante fonte de renda através de uma atividade não-predatória. Infelizmente, as restrições à pesca dos tubarões no Brasil são praticamente inexistentes.

É preciso que se cumpra a Resolução 121-N do Ibama, que obriga as empresas ao preenchimento dos relatórios de captura. Empresas que beneficiam barbatanas compram e comercializam sem cobrar esse procedimento e origem legal e também devem ser responsabilizadas. Além disso, não existem áreas protegidas para tubarões onde sua pesca seja efetivamente proibida; e a matança criminosa é generalizada, o que se comprova pelas recentes e múltiplas apreensões de milhares de barbatanas de tubarão que seriam contrabandeadas para a Ásia e que correspondem a centenas de milhares destes animais mutilados.
Existe um comércio internacional bilionário e perverso de barbatanas de tubarão no Brasil e estimamos que boa parte dele atenda ao mercado asiático de forma clandestina. Apesar de inúmeros exemplos teóricos e práticos demonstrados ao longo dos anos e de ameaças de desequilíbrios em diversas cadeias alimentares marinhas, os tubarões vêm sendo pescados em quantidades alarmantes e insustentáveis.

Nosso ecossistema tem sido destruído devido à necessidade de consumo desenfreado das atividades humanas, que não leva em consideração que a extinção de espécies é uma ameaça a nossa própria sobrevivência. A proteção da biodiversidade requer um esforço e dedicação por parte de todos, sendo fundamental para o equilíbrio entre as espécies em todo o mundo. Por isso, são necessárias cada vez mais mobilizações da sociedade civil em prol da preservação de animais que estão se extinguindo.

AJUDE E PARTICIPE!!!!!!!!!!!!

Site: http://www.ondaazul.com.br/d4s
Facebook: http://www.facebook.com/diversforsharks?sk=info
Petição: http://www.thepetitionsite.com/takeaction/688/704/695/
Colabore: http://www.vakinha.com.br/Vaquinha.aspx?e=28233
Loja: http://www.vitrinepix.com.br/D4S

* texto retirado do site Divers For Sharks

This entry was posted in Animais Marinhos, Parceiros and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply